Home / Cibercultura / Discurso sobre redes sociais, liberdade e capitalismo cognitivo

 

Por Alex Primo
Editor

Há poucas semanas fui mais uma vez paraninfo de uma turma da Faculdade de Comunicação da UFRGS. Homenagens como essa valem mais que qualquer salário ou presente. Por isso mais uma vez agradeço meus alunos por tamanha gentileza.

Reproduzo abaixo o meu discurso, no qual falo sobre redes sociais, liberdade, economia e capitalismo cognitivo, crowdsourcing, crowdfunding, Wikileaks, entre outros temas da Cibercultura.

Há o que se comemorar se qualquer pessoa sem diploma em Comunicação pode atuar como jornalista, publicitário e relações públicas? Precisamos celebrar ensinamentos que já ficaram velhos desde que vocês defenderam as monografias no mês passado?

Permitam-me, então, fazer estas breves reflexões.

Antes, o poder estava ao lado de quem detinha a posse dos meios de produção. O dono da fábrica além de poder econômico, acumulava poder político. Na fábrica eram definidas nossas opções de consumo, segundo imposições da economia de escala: um tamanho único para todos os gostos. E a própria vida das comunidades girava em torno das demandas de trabalho da fábrica.

A comunicação também respondia ao modelo industrial. As grandes emissoras de TV e rádio, as editoras e gravadoras e os grandes jornais e revistas funcionavam como fábricas. Esse poder centralizado nas mãos de poucos grupos e empresários também definia o que consumiríamos, o que saberíamos e o que não seria divulgado. Segundo a mesma lógica de produção em massa, a mesma notícia e os mesmos programas de entretenimento eram transmitidos linearmente para todo o público.

Mas nosso mundo mudou, e com ele a economia. A fábrica perdeu importância. Você sabe, por exemplo, onde foi produzido seu casaco, sua televisão ou o seu tênis? Mas certamente você sabe qual a marca desses produtos. Isso nos mostra que o poder hoje se localiza na idéia, no projeto, no design.

Na chamada sociedade da informação a moeda de maior força é o conhecimento. Agora fica fácil perceber o poder reunido por esta turma de formandos. Especialistas em comunicação, eles reúnem o ferramental para atuar no chamado capitalismo cognitivo: o saber.

Não é mais preciso ser dono de caríssimas rotativas, de estúdios equipados com pesadas câmeras, nem distribuir antenas por todo o país. Um celular conectado no Twitter ou um blog mantido em um serviço gratuito podem fazer uma revolução. A massa alienada e descoordenada dá lugar à multidão, que age na cooperação, na confluência de interesses. A Internet não precisa de líderes, pois os esforços ganham força na atuação em rede.

A fórmulas econômicas foram alteradas. A demanda pode anteceder a oferta. As marcas podem hoje oferecer com agilidade o que os consumidores pedem nas comunidades em redes de relacionamento. E o trabalho pode ser dividido com os próprios consumidores, que passam a fazer parte, eles mesmos, da cadeia produtiva. Por exemplo, é possível desenhar a estampa da camiseta que se quer comprar! É o que se chama de crowdsourcing. E também se pode investir na produção daquilo que se quer consumir. Recentemente eu investi pouco mais de 30 reais em um CD que eu quero escutar, de uma banda que explodiu no YouTube. A quantia é pequena, mas somada ao micro-investimento de tantos outros fãs, a banda está agora em estúdio. Trata-se de uma produção alternativa, segundo um modelo de crowdfunding, que acontece à margem dos interesses da grande mídia.

O processo da Comunicação mudou muito nos últimos tempos. A foto da evacuação do avião da US Airways que havia feito um pouso forçado no Rio Hudson foi captada e publicada por um cidadão comum. Os consumidores juntaram-se em coro para protestar contra os produtos com peles de animais da Arezzo, cujo desastrado release no Facebook prejudicou ainda mais sua imagem. Vídeos publicitários deixam hoje de ser veiculados no intervalo comercial de novelas, pois são repassados espontaneamente nas redes sociais online. É nesse contexto que nossos publicitários, relações públicas e jornalistas estão atuando.

Mas não entendam mal. A multidão não está parasitando o jornalismo e anunciando seu fim. Os anúncios diretos no Google não estão condenando as agências, nem tampouco os tuiteiros estão enfraquecendo os Relações Públicas. Pelo contrário, o que nossos formandos estão preparados para fazer é saber gerenciar essa simbiose. Ora, todos saem lucrando quando a inteligência coletiva, quando a sabedoria das multidões é bem coordenada.

Quem poderia pensar que um dia uma enciclopédia seria escrita por amadores, e que seus verbetes estariam sempre na primeira página de resultados do Google? E quem poderia imaginar que documentos secretos dos Estados Unidos poderiam ser salvos em seu próprio computador, depois de divulgados no site do Wikileaks? A radicalidade dessas experiências se explica pela máxima hacker: o conhecimento é um bem da humanidade e a informação quer ser livre.

Liberdade. Esse é o principal objetivo de todo profissional de comunicação. Quanto mais informação circular em um país, mais livre ele será.

Por outro lado, é também verdade que com a Internet sofremos de uma sobrecarga informacional. Segundo o filósofo Edgar Morin, temos hoje muita informação e pouco conhecimento. E com tantos serviços da Web 2.0, publicamos tantas fotos, escrevemos tantos tuítes e posts, vemos e passamos adiante tantos vídeos e fazemos tantos comentários no Facebook que às vezes falta tempo para um chopp na esquina! Podemos inclusive sofrer de uma nova forma de ansiedade: queremos consumir toda informação que nos chega sem parar e queremos marcar presença constante na Internet. Ora, quem não é visto não é lembrado. Aquele que se cala na rede não existe, pois é apenas através da comunicação que acontece a existência no virtual. E como impera hoje uma economia da reputação, precisamos estar sempre investindo em nossa imagem na rede.

Esse ritmo frenético também pode impactar os relacionamentos íntimos. Conforme o sociólogo Zigmund Bauman, nestes tempos digitais, tratamos os outros como conexões. Portanto, também é muito fácil desconectá-los. O recente livro de Shery Turkle traz um título provocativo: Alone Together, ou seja, acompanhado mas sozinho. Sim, podemos acumular amigos em redes de relacionamento e, mesmo assim, nos sentirmos solitários.

Evidentemente, a “culpa” não é da Internet. Somos frutos de nosso tempo, e a época é de grandes e frenéticas transformações sociais.

A verdade é que as verdades duram hoje muito pouco. As certezas têm prazo de validade bastante curto e logo são substituídas na prateleira por outras opções. A novidade de hoje fica obsoleta amanhã. Um lançamento do início do dia é ferro velho de tardezinha.

E é por isso que a formação de vocês não termina hoje. Esta solenidade de colação de grau é apenas um marco pontual. O aprendizado de vocês, formandos, continuará por toda a carreira. É preciso que seja assim, ou vocês mesmos se tornarão prematuramente obsoletos!

Ninguém pedirá para ver seus diplomas. A atuação profissional de vocês, as futuras contratações independem desse documento. O que mais importa é seu portfólio recente, sua capacidade de administrar e dar sentido a grandes fluxos de conteúdo, de transformar criativamente tudo o que parecia óbvio.

Vamos ser sinceros: neste excesso informacional, notícias e slogans parecem todos iguais. Tornaram-se commodities. Logo, na sociedade do conhecimento, no capitalismo cognitivo, o papel de vocês é criar valor através da idéia, tornar único aquilo que parecia abundante.

Segundo a cibernética, a informação é a diferença. Uma diferença que faz a diferença, diria Gregory Bateson. Logo, a frase “o céu é azul” é pouco informativa. Já o resultado da Megasena, dentre tantos possíveis, tem alta carga informacional. A mesma notícia reprisada em todos jornais e portais, portantom, tem pouco valor. O que precisamos é mais opinião crítica, bem fundamentada. Os produtos, marcas e empresas não precisam simplesmente ter páginas no Facebook. Precisam sim saber dialogar com seus diferentes públicos.

Diante do cenário que tentei aqui resumir, convido vocês, formandos, a manterem sempre como meta a defesa da liberdade. Não deixem que essa bandeira tradicional da Comunicação seja apagada por interesses sindicalistas, por pressões políticas ou pelo despreparo para atuar em redes sociais.

No Brasil, o projeto do Senador Azeredo pretende controlar as interações na Internet. Por que será que alguns políticos querem punir a liberdade de expressão garantida pelas redes online? Ora, todos nós sabemos as verdadeiras razões.

Em recente entrevista sobre os abusos do jornal News of The World, de Rupert Murdoch, o professor Eugênio Bucci defendeu que a liberdade é a melhor forma para garantir a liberdade da imprensa. A censura ou órgãos de controle são os piores expedientes para regulamentar o jornalismo. Vale lembrar que quem denunciou as práticas ilícitas do tablóide inglês foi outro jornal, o prestigioso The Guardian.

Sim, como vimos, temos muita informação circulando. Mas é sempre melhor mais informação, do que informação limitada. E é por isso que cada vez mais precisamos de profissionais como vocês. A democracia só se constrói na comunicação. Tanto o relacionamento amoroso quanto o relacionamento entre empresas e consumidores só pode ser mantido através da comunicação.

E temos aqui na nossa frente um grupo de profissionais, que foram preparados para trabalharem pela comunicação, para defenderem a liberdade. Que estão prontos para serem livres.

Queridos afilhados, aqui termina o compromisso de vocês com a faculdade. E aqui continua o compromisso de vocês com a Comunicação.

Chegou a hora de dizer tchau, ou melhor, até breve!

Nos vemos nas redes.

 
 

15 Comments

  1. Aline Rocha says:

    Alex, é a primeira vez que entro em seu blog e gostaria de parabenizá-lo por este discurso.
    Para os profissionais de comunicação traz um conforto e nos mostra que estamos no caminho certo.
    É o que eu sempre digo, quem contrata um técnico de Webdesign contrata a ferramenta, pois este profissional não sabe o que esta por trás de cada comunicação.
    Não sabe se que o que é Teoria da Comunicação ou até mesmo Semiótica.
    Enfim, não podemos perder a esperança e enquanto não conseguir o destaque que desejo, não desistirei desta área.
    É o que amo e sei fazer.
    Um abraço e parabéns.

     
  2. Anônimo says:

    Aline, obrigado pela gentileza de sua mensagem. Volte sempre!

     
  3. Anônimo says:

    Acabo de deletar o comentário de um spammer da Igreja Universal do Reino de Deus. Este blog não abre espaço para investidores na fortuna no Edir Macedo.

     
  4. Anônimo says:

    Acabo de deletar o comentário de um spammer da Igreja Universal do Reino de Deus. Este blog não abre espaço para investidores na fortuna no Edir Macedo.

     
  5. Paula Ugalde says:

    Olá Prof Alex
    Agradeço as reflexões postas que contribuem para pensarmos o cenário atual. 🙂
    Queria indagar o que já fiz a outros pesquisadores que convergem com a ideia de que os saberes acadêmicos demorarem a ser publicados: na visão do professor teria modos de termos agilizado esse processo? E ainda que o publicado pudesse ser atualizado, sem termos que adquirir novos volumes?
    Comento seu discurso…
    Gostei da perspectiva de que os novos profissionais da comunicação tem como função atuar instrumentalizados no chamado capitalismo cognitivo: o saber, para interagirem com as multidões em rede, considerarem suas vozes, ideias e percepções para amplificarem a cadeia produtiva.
    É ótimo termos especialistas preparados para gerenciar essa simbiose advinda da inteligência coletiva, coordenando a sabedoria das multidões.
    Sim “o conhecimento é um bem da humanidade e a informação quer ser livre e liberdade é o principal objetivo de todo profissional de comunicação e acrescentaria de todas as pessoas, ainda que precisemos avançar para aprender como otimizar nossa comunicação nas informações compartilhadas.
    Opinaria que a expertise dos profissionais da comunicação, para além de atuar nessa visão, poderia ser mais utilizada nos cursos de formação em geral, a fim de aprendermos a lidar melhor com os desafios postos, seja de sobrecarga informacional, de carência de instrumentais para separarmos o que é bom [conceito questionável e atrelado as percepções individuais, ok] e especialmente para transformarmos as informações em conhecimento.
    Ainda que a ‘falta’ de tempo para o ‘chop na esquina’, a ansiedade por “consumir toda informação que nos chega” sem parar e o desejo de “marcar presença constante na Internet” em parte, poderia estar imbricado ao templo de uso da web. Consigo me ver assim e creio que estive sem saber o que fazer com a sobrecarga um bom tempo. A medida que nos familiarizamos, penso que a compreensão da absoluta impossibilidade de abarcar o todo, aliado a maior competência para diferenciar o que nos é importante, nos traz maios tranquilidade. Passado o ‘encantamento’ começamos a nos voltar para as outras esferas da vida e com outros olhares e retomamos os encontros corpo-a-corpo. O que acha?
    Já a necessidade de sermos vistos e lembrados depende de cada um. Vejamos este blog: ainda que permanecesse sem escrever uns tempos, provavelmente não seria esquecido, porque traz ideias fundamentais para a compreensão da atualidade…
    Vi neste findis as odeias de Zigmund Bauman e ainda que veja que prevalece a percepção do Outro como conexão, também observo outras, raras concordo mas que ocorrem, quando são criadas afinidades. Será uma ideia ingênua?
    Será que a transitoriedade perpassa por todas as relações? Gostaria de pensar que não necessariamente?!
    Esta frase tomarei como citação tamanha a importância que dou a ela e para tod@s: “O que mais importa é seu portfólio recente, sua capacidade de administrar e dar sentido a grandes fluxos de conteúdo, de transformar criativamente tudo o que parecia óbvio.”
    []’s

     
  6. Anônimo says:

    Paula, muito obrigado por sua resposta e indagações. Sua atenção ao texto (longo) me dá ânimo para não parar de escrever e blogar!

    Creio que existem ciclos em nossa vida e que em momentos diferentes dedicamos mais atenção a este ou aquele processo. Isso dá movimento a nossas vidas!

    Não tenho uma visão assustada das tecnologias. Mas tampouco podemos ficar parados no deslumbre.

    Abraços!

     
  7. Alex,
    belo texto, ser paraninfo é uma delícia, não é?
    Lembro do Raulzito 😉 “viva, viva, viva a sociedade alternativa”.Tudo bem, agora é sociedade do conhecimento, mas não deixa de ser alternativa…

     
  8. Eu gostaria muito de ter sido sua aluna, parabéns pelo texto, tô feliz de ter encontrado com essa leitura hoje 🙂
    Muchas Gracias!!!

     
  9. Anônimo says:

    Taís, e eu fico muito feliz de ter recebido este comentário tão bacana!

     
  10. Camila says:

    Estou me formando em Publicidade daqui a 1 semana pela PUC-Rio, sem emprego e meio desanimada. Fiquei muito feliz e bem mais animada ao ler um texto TÃO legal!!!! Parabens!!
    Descobri seu trabalho e seu blog pelo tema da minha monografia, o Facebook, e pude ver que foi uma ótima descoberta! Parabens, mais uma vez.

     
  11. Parabéns, os formandos devem ter ADORADO, muito bom!

     
  12. Tiarla says:

    Que orgulho um dia ter estado na sala de aula do Primo!!!
    Parabéns, sensacional!

     
  13. Oi,
    estou-me formando em publicidade e para chegar aí ainda tenho muito caminho para percorrer e trabalhar, um dos meus objetivos era conseguir assistir a uma formação sua, espero conseguir em breve! Parabéns por seu trabalho.

     
  14. We offer headlights cover for auto Subaru to the enterprises, autoshops, car repair shops any country of the world. 🙂

     
  15. Pingback: Redes sociais, liberdade e capitalismo cognitivo

Qual é a sua opinião?

 

Curta minha página no Facebook

 

Assine meu canal no YouTube

 

Siga-me no Twitter

 

Newsletter

Receba novidades por e-mail